Crossdressing Place
Faça seu login para visualizar o conteúdo do fórum...
Estatísticas
Temos 91 usuários registradosO último usuário registrado atende pelo nome de MônicaOs nossos membros postaram um total de 9760 mensagensem 463 assuntos
Contador de Visitas
Parceiros
Crossdressing Place

Diário Crossdresser

O Homem Feminino

Crossdresser Style

MODA CROSDRESSER

Well Brasil Cabelos

Fórum grátis


Compartilhe
Ir em baixo
stefanyemian
stefanyemian
Administradora
Administradora

Anuncio Universitários chineses se vestem de mulher e dividem opiniões

em Ter 11 Dez 2018, 13:39
Na China, um grupo de universitários amantes de mangás, os quadrinhos japoneses, tem lançado moda e virado alvo de muitas críticas. Tudo porque eles resolveram usar perucas, saias coloridas, cílios postiços e a maquiagem das namoradas para sair de casa vestidos como mulheres.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Assim como é tradição na ópera chinesa, os jovens crossdressers — ou seja, que aderem a hábitos estéticos do sexo oposto — participam de performances musicais em que interpretam papéis femininos. Mas, em vez de música erudita, a maior inspiração dessa nova geração é pop: o mangá Princess Princess (Princesa, Princesa), que narra a história de três alunos de uma escola para meninos que começam a se vestir como princesas no dia a dia. “Só quero dar vida a esses personagens”, contou Xiao Lu, o cofundador da trupe, que já conta com 300 membros, ao jornal chinês China Daily.

A maioria dos garotos do grupo tem namorada e eles dizem que a popularidade com as meninas aumentou bastante. Também fãs do mesmo sexo têm mostrado gosto pelos shows dos estudantes chineses e, dependendo dos traços físicos, são convidados a fazer parte das apresentações. “Tem de ter pernas longas e finas, um porte não muito robusto e um rosto bonito e delicado”, disse Xiao Lu a outra publicação do país.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Os jovens, em apresentação no início de abril (Foto: shanghaiist)

Mas a tendência também vem arrancando críticas da sociedade e divide opiniões. Se mesmo no Brasil — onde se debatem tanto liberdade e quebra de preconceitos — o cartunista Laerte foi visto com estranheza quando se assumiu como crossdresser, na China, um país assombrado pelo autoritarismo e pela censura, não seria mais ameno. A mãe de um dos garotos do grupo já tentou impedi-lo de participar das apresentações, por acreditar que o interesse do filho em se vestir como mulher acabaria lhe causando “transtornos sexuais”. Sun Yunxiao, vice-diretor do Centro de Pesquisas de Crianças e Jovens Chineses declarou que “meninos devem assumir responsabilidades, ser masculinos e poderosos” e que os hábitos do grupo são mensagens contraditórias. Os garotos já se dizem acostumados a esse tipo de reação e recomendam aos novatos que passem por cima de críticas negativas.

Leia mais: Um homem faz propaganda de sutiã – para mulheres, claro. Claro?

Eu, particularmente, acho interessantíssimo que uma experiência assim ganhe voz na China. Mesmo sem intenção, esses jovens estão contestando a política e os códigos sociais do país — e ajudando a propor mudanças. A socióloga chinesa Li Yinhe, por exemplo, disse ao China Daily que não há nada de sexual no hábito desses jovens; é tudo uma questão de amor à arte. “Eles expressam seu interesse por meio das performances.”
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum