Fórum para Crossdressers, Transgêneros e Supporters
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Inversão de papéis no sexo: pessoas que curtem contam suas experiências...
Dom 12 Nov 2017, 19:45 por Akai San

» Quadrinhos CD/TS
Sab 04 Nov 2017, 13:52 por Akai San

» Cross Cam!!
Qua 01 Nov 2017, 08:49 por stefanyemian

» 8 coisas que todos precisam saber sobre a próstata
Ter 31 Out 2017, 15:30 por stefanyemian

» O fetiche da inversão de papéis é mais antigo do que você imagina
Sex 06 Out 2017, 19:42 por juh.cdzinha

» Top 7 Regras de Lingerie
Qua 04 Out 2017, 07:24 por kinkyceline

» Nome social no CPF
Qua 23 Ago 2017, 17:38 por Luisa_2u

» Espiritismo e CDing
Qua 23 Ago 2017, 14:28 por stefanyemian

» Filmes relacionados ao mundo cd
Qui 03 Ago 2017, 17:15 por VanessaRinaldi

» O QUE É SER BISSEXUAL?
Sex 28 Jul 2017, 13:33 por stefanyemian

Tópicos mais ativos
videos de transformações e afins
Quadrinhos CD/TS
grupo de brolita
SUGESTÕES DIVERSAS - "SAU"
Vestimentas na Bíblia
Inferno - Realidade ou invenção?
Você deixaria seu filho assistir o desenho de um super heroi Crossdresser?
Divulgação de Blog's
Dicionário Crossdressing Place
Crossdressing Clube em Campinas - SP
Estatísticas
Temos 695 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Adriana

Os nossos membros postaram um total de 25120 mensagens em 1280 assuntos
Contador de Visitas

Compartilhe | 
 

 Drag Queen Religiosa

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Sttefanne Camp
Administradora
Administradora
avatar


MensagemAssunto: Drag Queen Religiosa   Sex 02 Ago 2013, 10:01

Meninas...
Achei muito interessante essa reportagem... talvez seja ma uma mensgem otimista, quando olhamos para os Grupos Trangêneros...
Vale a pena ficar registrado.


Judeu israelense é uma drag queen gay devota

Da Associated Press
Em Jerusalém 02/08/201306h01

Pouco antes da meia-noite, Shahar Hadar troca seu quipá branco tricotado por uma peruca loira ondulada e um vestido de veludo cor-de-rosa.

Ele é recebido com vivas em um bar gay lotado enquanto começa a rodar ao som de uma canção pop hebraica, com seus lábios vermelhos reluzentes cantando uma letra que significa mais para ele do que a plateia sabe: "Com a ajuda de Deus você terá a força / Para superar e dar tudo de si".

Foi uma longa e agonizante metamorfose para Hadar, 34, de judeu ortodoxo em conflito a orgulhoso gay religioso --e drag queen. A maioria dos judeus ortodoxos gays, como os de outras comunidades religiosas conservadoras por todo o mundo, é compelida a fazer uma barganha do diabo: formalizar um casamento com uma mulher para permanecer em suas comunidades religiosas fechadas ou abandonar sua família, comunidade e religião para viver uma vida assumidamente gay.

Mas, apesar do judaísmo ortodoxo em geral condenar a homossexualidade, há um crescente grupo de judeus gays devotos em Israel que não estão dispostos a abandonar sua fé e exigem um lugar na comunidade religiosa.

"Por mais que tenha fugido, os céus deixaram claro para mim que este é quem sou", disse Hadar. Ele marchou na quinta-feira (1) --sem fantasia-- na parada anual do orgulho gay de Jerusalém.

Hadar, um operador de telemarketing de dia, levou a luta do ortodoxo gay da sinagoga para o palco, começando a se apresentar como uma das poucas drag queens religiosas de Israel. Seu personagem drag é o de uma rebetsin, uma conselheira rabínica --uma personagem saudável que se destaca entre o elenco sarcástico e grosseiro de personagens do circuito drag queen de Israel.

"Ela abençoa, ela ama todo mundo", disse Hadar sobre seu alter-ego, a rebetsin Malka Falsche. O nome de palco é uma brincadeira com a palavra em hebraico que significa "queen" (rainha) e a gíria hebraica para "falso". A filosofia dela --e a de Hadar-- vem dos ensinamentos da corrente hassídica Breslov do judaísmo ultraortodoxo: abrace os reveses da vida com alegria.

"Drag queens costumam ser rudes. Eu decidi que queria ser feliz, entreter as pessoas, realizar mitzvoth" ou ações religiosas, disse ele.

Um encontro com uma popular rebetsin israelense foi o que deu início à jornada interior de Haddar, aos 19 anos. Ele começou usando um quipá, um barrete religioso, e continuou recitando as orações matinais em seu quarto. Ele saiu de casa para se matricular em uma yeshiva (seminário religioso) em Jerusalém, na esperança de que o estudo diário da Torá o faria parar de pensar em homens.

Não parou.

Hadar contou que foi expulso do seminário após um breve encontro noturno com seu colega de quarto na yeshiva. Ele se transferiu para outro centro de estudos religiosos, onde um estudante o apresentou à amiga ultraortodoxa de sua mulher --e eles rapidamente se casaram.

"Eu queria seguir o caminho ordenado (por Deus) a nós. Eu não via nenhuma outra opção", disse Hadar. "Eu achei que o casamento me tornaria hétero e que eu estaria curado."

Ele se sentia aflito durante a intimidade com sua mulher, mas não dizia a ela o motivo. Ele pediu o divórcio. Ela posteriormente deu à luz a filha deles, que atualmente tem 11 anos. Sua ex-mulher ainda se recusa a permitir que eles se encontrem.

Depois que a irmã de Hadar teve um destino semelhante --acabou divorciada de seu marido porque ele era gay--, a conversa homofóbica surgiu à mesa de jantar de sua família. O irmão de Hadar reprimia a família, que também se tornou religiosa, simplesmente perguntando: "Gays não são seres humanos?"

O fato é que o irmão defendeu Hadar sem mesmo saber.

Poucos meses depois, em 2010, Hadar criou coragem para marchar na Parada do Orgulho Gay de Tel Aviv. Quando voltou para casa naquela noite de sábado, ele finalmente contou para sua mãe que era gay. "Eu achei que seria o dia mais sombrio da minha vida", disse Hadar. Mas ela aceitou.

Como judeu ortodoxo praticante, não foi fácil para Hadar se integrar na vida gay padrão. Ele costumava esconder seus cachos de cabelo laterais, até a altura do ombro, sob um boné, para se enquadrar nos bares. Posteriormente, cortou os cachos e aparou a barba para aumentar suas chances na cena de encontros.

Ele ainda está à procura de amor. Mas, neste ano, Hadar encontrou aceitação --e autoexpressão-- na Drag Yourself, uma escola de Tel Aviv que oferece cursos de dez meses para artistas em drag. Os alunos aprendem a se equilibrar em salto alto, aplicar cílios postiços e criar suas próprias personalidades drag. Hadar, ainda um iniciante, se formará no mês que vem.

A escola drag, assim como a própria comunidade gay israelense, oferece uma rara oportunidade para os israelenses interagirem com outros membros da sociedade díspar e às vezes antagônica. A escola deve ser o único lugar onde um colono judeu, um judeu ultraortodoxo, um árabe israelense e soldados israelenses enchem seus sutiãs juntos.

De todos os estudantes em sua classe, Hadar foi o único a comparecer usando quipá.

"Eu acho fabuloso", disse Gil Naveh, drag queen israelense veterana e diretor da escola, enquanto pintava os lábios de Hadar de vermelho antes de sua estreia à meia-noite em um bar gay de Jerusalém. "Ele permanece fiel a quem é."

Tradutor: George El Khouri Andolfato


Fonte Notícias UOL
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

_________________
Beijos
Sttefanne
Voltar ao Topo Ir em baixo
cd Marina
CD Master
CD Master
avatar


MensagemAssunto: Coragem   Dom 22 Set 2013, 21:53

E uma estoria de coragem e determinação. .. ate quando as religiões vao forçar as pessoas a serem algo qe nao qerem... A unica coisa qe a maioria das religiões tem em comum e aprisionar o ser himano em leis idiotas...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sttefanne Camp
Administradora
Administradora
avatar


MensagemAssunto: Re: Drag Queen Religiosa   Seg 23 Set 2013, 10:00

Sim, Marina...
Por conhecer um pouco a Bíblia, vejo que existem muitas aberturas e noções de tolerância... entretanto, muitos "Líderes Religiosos" se apegam às proibições e intolerâncias...

_________________
Beijos
Sttefanne
Voltar ao Topo Ir em baixo
kcristxd
CD Diva
CD Diva
avatar


MensagemAssunto: Re: Drag Queen Religiosa   Sab 07 Mar 2015, 11:34

Sttefanne, cara amiga. Verdade. Eu como evangélica, serva do Deus Altíssimo, guardo as Palavras Sagradas em meu coração. Se formos seguir ao pé da letra, e à risca a Bíblia, e o que estes tais " Líderes religiosos" nos mandam fazer e ficarmos com medo, seremos escravos fantoches da religião, que não nos salva. Um exemplo clássico de interpretação ao pé da letra, é a passagem de João Batista, primo de Jesus. A Bíblia fala que ele comia gafanhotos, mas de fato, era apenas uma espécie de capim, que parece gafanhoto, com espigas semelhante ao de trigo, e é doce. Sabe as leis do Levítico? Lá diz que se a mulher menstrua, ela estará imunda por sete dias. Menstruar é tão natural, que deve ser algo prazeroso. Devemos sim, respeitar, mas não fazer dela escravos doentios, sem vida, sem social.

O caso deste rapaz citado por você, nesta reportagem, mostra muito bem, que é possível sim, ser feliz como cross drag, e ser fiel. O judaísmo é muito mais radical que o cristianismo, veja que eles cumprem o Torah, o pentateuco mosaico. Não é fácil, deve haver e ser corajoso para isto, mas Deus nos fez assim, especiais. Adoro ser cross, e após participar e ser aceita neste fórum, estou mais encorajada.

Muito obrigada, amiga.

beijos

Kelly Cristina.

_________________
Kelly Cristina Martins [Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Drag Queen Religiosa   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Drag Queen Religiosa
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Crossdressing Place :: Misticismo & Religiosidade-
Ir para: