Fórum para Crossdressers, Transgêneros e Supporters
 
InícioInício  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Inversão de papéis no sexo: pessoas que curtem contam suas experiências...
Dom 12 Nov 2017, 19:45 por Akai San

» Quadrinhos CD/TS
Sab 04 Nov 2017, 13:52 por Akai San

» Cross Cam!!
Qua 01 Nov 2017, 08:49 por stefanyemian

» 8 coisas que todos precisam saber sobre a próstata
Ter 31 Out 2017, 15:30 por stefanyemian

» O fetiche da inversão de papéis é mais antigo do que você imagina
Sex 06 Out 2017, 19:42 por juh.cdzinha

» Top 7 Regras de Lingerie
Qua 04 Out 2017, 07:24 por kinkyceline

» Nome social no CPF
Qua 23 Ago 2017, 17:38 por Luisa_2u

» Espiritismo e CDing
Qua 23 Ago 2017, 14:28 por stefanyemian

» Filmes relacionados ao mundo cd
Qui 03 Ago 2017, 17:15 por VanessaRinaldi

» O QUE É SER BISSEXUAL?
Sex 28 Jul 2017, 13:33 por stefanyemian

Tópicos mais ativos
videos de transformações e afins
Quadrinhos CD/TS
grupo de brolita
SUGESTÕES DIVERSAS - "SAU"
Vestimentas na Bíblia
Inferno - Realidade ou invenção?
Você deixaria seu filho assistir o desenho de um super heroi Crossdresser?
Divulgação de Blog's
Dicionário Crossdressing Place
Crossdressing Clube em Campinas - SP
Estatísticas
Temos 695 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Adriana

Os nossos membros postaram um total de 25120 mensagens em 1280 assuntos
Contador de Visitas

Compartilhe | 
 

 Autoginecofilia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
DanyM
Administradora
Administradora
avatar


MensagemAssunto: Autoginecofilia   Qua 10 Jul 2013, 10:58

por Letícia Lanz


O termo Autoginecofilia, que significa literalmente "amor a si mesmo como mulher", foi criado pelo Dr. Ray Blanchard, que na ocasião era psicólogo clínico do Clarke Institute of Psychiatry, em Toronto, Canadá.

Com o objetivo, segundo ele, de aprimorar os critérios de classificação das pessoas trans, Blanchard partiu de um critério de excitação sexual que o levou a dividir a população transgênera em dois grupos que denominou, respectivamente, de autoginecofílico (ou autoginefílico) e androfílico. 

Um transgênero do tipo androfílico, que ele também denomina de transexual homo, é aquele que só se excita sexualmente com um homem. Segundo ele, esse tipo é menos propenso a fazer a cirurgia de reaparelhamento genital, porque o pênis continua sendo um detalhe importante na sua relação sexual.

Ao contrário, o transgênero autoginecofílico é aquele que se excita sexualmente com a idéia de estar sendo ele próprio uma mulher (Blanchard argumenta que nenhuma mulher se excita pelo fato de ser mulher...). O tipo autoginecofílico tem quase sempre o desejo cirúrgico, pelo fato do seu objeto de orientação sexual ser o seu próprio corpo feminino idealizado, donde Blanchard denominá-lo de trans hetero. 

O autoginefílico é um homem que deseja ardentemente ser mulher, não pelo fato puro e simples de ser mulher, mas como um homem que “linka” sua excitação sexual masculina (tesão) com o fato de estar vivendo dentro de um corpo de mulher. Ou seja, ele deseja ser mulher para sentir-se dentro de um corpo de mulher, principalmente nas horas que busca expressar a sua sexualidade. Evidentemente isso não é a mesma coisa que desejar ser "completamente mulher", possuindo não só todos os atributos físicos e mentais de uma fêmea da espécie, mas também a sua identidade social e o seu estilo de vida (gênero feminino). É justamente esse torturante desejo de ser mulher, em todas as dimensões e sob todos os pontos de vista, que emblematicamente sempre caracterizou a transexualidade: - mulheres presas em corpos de homens. 

Em defesa da autoginefilia como causa da transexualidade, existem especialistas como a Dra. Anne Lawrence, ela mesma uma transexual operada de Seattle-EUA, que descreve o fenômeno como "homens presos em corpos de homens" (ao contrário da tradicional assertiva "mulheres presas em corpos de homens"). Como comprovação, ela apresenta o seu próprio caso, dizendo que a autoginecofilia é uma forma de parafilia (desvio da orientação sexual, como a BD/SM) voltada para o próprio corpo feminino. Argumenta ainda que, para um autoginecófilo, o objetivo de virar mulher equivale a casar-se para os heteros.

Em 2003, o Dr. J. Michael Bailey, da Northeastern University, publicou uma obra muito controversa que trata de autoginecofilia, denominada "O homem Que Seria Rainha: a Ciência da Mudança de Gênero e Transexualismo" (The Man Who Would Be Queen: The Science of Gender Bending and Transsexualism) 

No livro, Bailey argumenta que a homossexualidade masculina é congênita e resulta da hereditariedade e do ambiente pré-natal no útero materno. Ele também sugere que a transexualidade é tanto um tipo extremado de homossexualidade quanto a expressão de uma parafilia, conhecida como autoginecofilia. 

Desde o seu lançamento, o livro, tem gerado uma enorme controvérsia no meio transexual, como de resto tem acontecido com o próprio conceito de autoginecofilia.

Nem é preciso dizer que autoginecofilia é um modelo horripilante para a maioria das transexuais. Uma das muitas razões desse horror é que, uma vez que a aceitação dessa tese invalida toda a dolorosa experiência de transição pela qual as transexuais se vêem obrigadas a passar. Ou seja, uma vez provada a sua autoginecofilia, seria muito desconfortável e até ofensivo para a maioria das TSs admitir que foram tão longe, e de maneira tão perigosa e sofrida, apenas para atender os seus impulsos sexuais masculinos.

Existem, no entanto, certos aspectos que devem ser cruciais na distinção de autoginecófilos de transexuais. Quando uma verdadeira transexual termina seu processo de transição, o que se dá mediante uma CRG (cirurgia de reaparelhamento genital), ela não quer mais de maneira alguma ser identificada como transexual, mas como mulher de verdade, em todos os aspectos e sob todos os pontos de vista. Ou seja, uma vez que consiga se livrar dos atributos físicos que a identificam o sexo masculino, ela quer mais é desaparecer na multidão, sem deixar vestígios de que teria sido homem algum dia.

Um autoginecófilo, ao contrário, mesmo depois da CRG, tenderá sempre a perpetuar sua condição de "homem preso num corpo de homem", sem o que desapareceria o seu tesão original. 

Autoginefilia ainda é um dos grandes tabus dentro da cultura transgênera, já que ninguém ainda se propôs a investigar seriamente qual seria o percentual de homens diagnosticados como transexuais que, fundamentalmente, estariam melhor classificados como “crossdressers autoginefílicos”.

_________________
Danielly M. Kreuk
Administradora 3 - Fórum Crossdressing Place
Visite meu blog, acesse
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Autoginecofilia
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Crossdressing Place :: Artigos-
Ir para: