Crossdressing Place
Faça seu login para visualizar o conteúdo do fórum...
Estatísticas
Temos 95 usuários registradosO último usuário registrado atende pelo nome de hConfusoOs nossos membros postaram um total de 10465 mensagensem 492 assuntos
Contador de Visitas
Parceiros
Crossdressing Place

Diário Crossdresser

O Homem Feminino

Crossdresser Style

MODA CROSDRESSER

Well Brasil Cabelos

Fórum grátis


Compartilhe
Ir em baixo
stefanyemian
stefanyemian
Administradora
Administradora

Anuncio Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Sex 12 Abr 2019, 11:06
Desde 2010, o cartunista Laerte Coutinho, de 61 anos, veste-se somente como mulher. Depila o corpo, usa saia curta, pinta a unha de vermelho, ostenta um longo e brilhante cabelo grisalho, fala a maior parte do tempo no feminino. Compôs o visual com a ajuda de Dudda Nandez, uma jovem paulistana de 27 anos, casada, mãe de uma filha de 7 anos. Em seu sobrado, no modesto bairro da Penha, Zona Leste de São Paulo, Dudda aconselha uma legião de homens que desejam fazer o mesmo que Laerte.
— O crossdressing está mais entre nós do que imaginamos. Tem muito empresário, gente rica mesmo, que vem aqui. Já atendi mais de seis mil homens, de todos os cantos — garante Dudda. — Há um crossdresseronde menos se imagina, homens que levam esta vida dupla.
Ela cobra cerca de R$ 300 por sessão, que inclui depilação, maquiagem, empréstimo de roupa e fotos para o transformista levar de recordação. Ainda organiza encontros semanais de crossdressers , onde todos ficam montados (termo usado para a transformação), sem risco de exposição na rua.
Dudda estudou Direito por três anos, e largou. Quer prestar Medicina, com o objetivo de ser neurocirurgiã. Sua filha anda pelo sobrado e é tratada com carinho pelos crossdressers .
— Quando eles estão vestidos de menino, eu chamo de tio. Depois, viram as tias — diz a menina, naturalmente.
Em respeito à privacidade de seus clientes, ela não dá nota fiscal e não aceita cartão, “porque a maioria que vem aqui quer passar despercebida”. Começou ajudando amigos a se montar para idas a festas ou boates. Viu ali uma oportunidade de negócio. Fez cursos de depilação, massagem e maquiagem; criou um site. Hoje, segundo os praticantes, é a única profissional do Brasil que faz este tipo de trabalho, em reuniões pudicas que nada têm a ver com sexo.
— Ela foi imprescindível para mim. Depilar-me foi o passo mais decisivo dessa trajetória na direção da representação da feminilidade. Ver meu corpo sem o cobertor de pelos foi me olhar de outra forma — comenta Laerte, que já namorou homens, mulheres e teve três filhos, dentre eles o também cartunista Rafael Coutinho.
Pela definição tradicional, Laerte nem seria mais um crossdresser , porque passou a se vestir de mulher em regime integral. Ele não toma hormônios (“por não haver mais sentido na minha idade”), mas estuda a ideia de pôr silicone nos seios.
— O peito é uma conquista, uma representação forte da feminilidade. Mas não curto o termo crossdresser , que é importado do contexto americano, que designa o homem transgênero que faz questão de se declarar heterossexual — ensina. — No Brasil, serve para marcar, ou tentar marcar, a diferença em relação à população travesti. É uma distinção classista, porque travesti é muito associado à prostituição. Mas sou travesti, ou uma mulher experimental.
Já Dudda acha que o termo crossdresser serve para apaziguar milhares de homens como os que adotaram os nomes Priscila Marley, de 55 anos, engenheiro; Thaís Heartilly, de 32, técnico de informática; e Diane Gonçalves, de 45, segurança particular. Eles afirmam não querer — ou não poder — “ser mulher” o tempo todo.
Quando homem, Priscila é um verdadeiro tiozão paulistano: mora na Mooca, usa casaco de náilon e tênis, tecla sem parar num smartphone de última geração. Uma vez Priscila, muda a voz e o gestual. Vira uma periguete: saia curta, blusa justa, peitão e muita bijuteria. Casado com uma psicóloga há 36 anos, pai de três filhos, a versão masculina de Priscila conta que a coisa diz respeito à orientação sexual (“Sou hétero, nunca tive vontade de transar com homem”). Prefere pensar na ideia como um fetiche, uma transgressão, “uma identidade secreta, como Zorro ou Clark Kent”.
— Gosto de me vestir de menina desde a infância. Sofri muito com isso. Foi só na maturidade, depois de muita terapia, que ficou mais fácil. Deixei até de fumar quando passei a me vestir sem culpa, sem achar que tinha uma doença — atesta.
A mulher sabe desde o noivado — ninguém mais além dela, de Dudda e dos demais praticantes de crossdressing que se encontram no sobrado. Os filhos de Priscila têm 31, 30 e 25 anos. Nem desconfiam, muito menos seus alunos numa tradicional faculdade de Engenharia de São Paulo. A mulher conta que demorou a assimilar o desejo do marido, e que o casamento só sobreviveu “porque existe muito amor” entre eles.
Hoje, a mulher do engenheiro acha tudo até divertido. Ajuda o marido a se montar e compra roupa com ele, fingindo ser para si.
— Outro dia, meus filhos viram um sapato feminino enorme embaixo da cama. Era da Priscila, mas eu disse que era de uma amiga. Só não topo sexo com ele montado — comenta a psicóloga.
Priscila acha a exigência “tranquila”, porque seu travestismo “não tem nada a ver com sexo”. Ele tampouco diz querer ser mulher de forma permanente ou tomar hormônio, “porque tanta montagem cansa”. Adora, no entanto, manter-se depilado.
— Digo para nossos filhos que ele teve uma alergia aos pelos. Ninguém desconfia — garante a esposa.
Thaís também afirma que o prazer de se vestir de mulher não passa pelo sexo. Como Priscila, a “brincadeira” começou em criança, escondida. Não sabe explicar seu desejo, sente-se bem, a explicação basta. Apaziguou-se ao perceber, pela internet, que existem muitos como ele.
— Tinha a ideia de que ser travesti era sinônimo de ser gay, mas não tenho tesão em homem. Gosto de namorar mulher. Por que não namorar mulher e ser uma de vez em quando? — indaga Thaís, atualmente solteira.
Segundo ela, é difícil as namoradas toparem. Mas o melhor a fazer é ser honesta. Assim como Priscila, não pretende ser mulher em regime integral.
Presidente da Associação Brasileira de Transgêneros (Abrat), a psicanalista Letícia Lanz diz que o crossdressing “não é uma coisa que a pessoa é, é uma coisa que ela faz”. Ela lembra, também, que em virtude da variedade do guarda-roupa feminino — que permite, à mulher, vestir-se qual homem, sem pressão social — o crossdressing é, hoje, uma atividade essencialmente masculina. Embora reconheça o termo, a Abrat entende que todo crossdresser é travesti, e que a sociedade só teria a ganhar se o travestismo fosse tratado com menos estigmas.
— Nem todos os travestis evoluem para uma operação de mudança de sexo — conta Letícia, de 61 anos, que só conseguiu deixar de ser Geraldo completamente há cinco anos.
Letícia é hormonizada e casada há 37 anos com uma mulher. Tem dois filhos e uma filha. A parceira sabe desde 2002; os filhos souberam em 2005. Houve dificuldades, mas hoje a família vive em harmonia. A psicanalista não pensa mais em operar. Diz que só cogitou se livrar do pênis por se sentir pressionada a escolher um papel de homem ou mulher:
— Muitas transgêneras acabam operando numa tentativa de se adequar aos gêneros sociais, mas é mais complicado. Há aqueles que são mulheres mesmo, em corpos de homens, ou vice-versa. Aí operar aparece como solução. Mas a psicologia do travesti é mais complexa, ele nunca vai se identificar como homem ou mulher. Ele é travesti.
Se Priscila e Thaís parecem confortáveis com a vida dupla, Diane confessa que adoraria “passar mais tempo como mulher, tomar hormônio” e eventualmente se ver livre do pênis. Segurança particular de uma empresa em São Paulo, divide a identidade secreta com duas irmãs com quem mora. Se como homem Diane tem gestos contidos e uma voz melancólica, como mulher, se solta: é falante e articulada.
— Fico mais eu, a satisfação é enorme. Passo 12 horas por dia no trabalho, e penso constantemente em voltar para casa, pintar a unha, me maquiar, colocar peruca, vestido curto e virar Di — conta ela, para quem o prazer de ser mulher passa, sim, pelo sexo. — Ganho alegria e autoconfiança. Sou mais gay do que hétero quando me visto de mulher.
Ainda assim, diz que adoraria se casar com uma mulher que lhe ajudasse a se montar:
— Todos somos complicados mesmo. E carentes. Companhia é sempre bom.
Apesar da dificuldade em obter dados estatísticos, a Abrat estima que um em cada dez homens se traveste ou vai se travestir em algum momento da vida (vestir-se para um baile de carnaval não é considerado crossdressing).
Próximo à Praça da Cruz Vermelha, no Centro do Rio, um sobrado reúne, há pelo menos meio século, pessoas interessadas em explorar sua (própria) cara-metade. Mais antiga congregação gay do país, a Turma OK abriga homem interessado em homem, mulher interessada em mulher e, principalmente, homem interessado em homem que se veste como mulher.
O local lembraria a casa de Dudda Nandez, não fossem três — cruciais — detalhes. Ali, ninguém está preocupado em esconder o nome. Tampouco há prudência em esconder a cara. Por fim, e mais importante: naquele sobrado, a persona feminina é exposta num palco, em shows de dublagem, com roupas e maquiagem excessivas, sob salva de elogios e palmas. Na Turma OK, homem que se veste de mulher não é crossdresser. É transformista.
— Não tem nada a ver uma coisa com a outra — vaticina a antropóloga Anna Paula Vencato, autora do livro “Sapos e princesas: prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil”. — Transformista faz show, interpreta uma diva. Crossdresser , não. Ele interpreta quem seria sua versão feminina.
Anna frequentou, entre 2007 e 2009, o Brazilian Crossdresser Club, então a principal casa do gênero, em São Paulo. Desde lá, o grupo se desmobilizou.
— Quando o clube foi aberto, há 15 anos, as pessoas não tinham para onde ir. A ideia inicial era ter com quem compartilhar as angústias e os prazeres relativos à prática do crossdressing — explica a antropóloga. — Agora a situação é outra. Mesmo antes do Laerte se vestir de mulher, já havia gente falando disso. Hoje, você vê as pessoas saindo para a rua vestidas de mulher. Os “ cross ” não estão no movimento LGBT, mas pegaram a rebarba das mudanças provocadas pelo movimento.
Frequentador assíduo da Turma OK, o gerente de hotel Jeferson Carvalho, de 47 anos, começou a se montar em 2008. O empurrão inicial foi dado pelo marido, com quem é casado há 20 anos, então já um habituéno assunto.
— Nunca mais parei — conta Jeferson (que, uma vez mulher, atende pelo sonoro Jennifer de Martini). — Fico mais leve. Me sinto realmente uma mulher quando boto a peruca.
No sábado passado, subiu ao palco com brinco e vestido de brilhantes, para interpretar o bolero “Fernando”, imortalizado, nos anos 1970, pela cantora Perla. Depois do show, ficou meia hora no camarim, tirando esmalte, base e trocando o traje de gala por tênis, jeans, boné e camisa polo:
— Não gosto de estar na rua montada. Uma coisa é brincar de ser mulher. Outra coisa é ter uma vida paralela.
O bailarino Douglas Ramon, de 25 anos, também prefere estar à rua como homem, “para evitar propostas”. Naquele sábado, no entanto, já chegou de batom vermelho e peruca — itens básicos de sua personagem Lavynia Storm. Cantou Christina Aguilera.
— Me monto há cinco anos, pelos menos duas vezes ao mês. Comecei depois que um namorado terminou comigo — disse. — O ego fica lá em cima. Primeiro, me vejo bem como homem; depois, me vejo bem como mulher. É uma sensação de que sou invencível. Minha voz fica mais fina, feminina. Me sinto mais delicado.
Ator, Marcelo Taurino, de 36 anos, explicou sua transformação numa sóssia de MC Anitta como “apenas mais um personagem”. Já o cabeleireiro Washington Chagas, de 37 anos (12 deles se travestindo), resumiu sua persona feminina, Dianelly Braga, como “uma válvula de escape”.
— Mas adoro minha imagem masculina. Quem deixa a mulher bonita, produzida, é o Washington, que corre atrás, que batalha — enfatizou.
De peruca vermelha, calça preta de couro, anel, pulseira, colar, o funcionário público Thiogo Andrade, de 23 anos, subiu ao palco para dublar a americana Beyoncé. Foi aplaudido de pé.
— Inventei a Layla Ricker, minha personagem, há quatro anos, depois que me assumi para minha família. Para mim, ela é uma viagem.
E para onde é essa viagem?
— Para Paris, meu sonho de consumo.
Mulher com ‘h’ maiúsculo
O Rio tem abrigado, desde a última semana, um raro exemplo decrossdresser público. Trata-se do ator Jorge Caetano, que protagoniza e dirige, com Marco André Nunes, a peça “A porta da frente”. Em cartaz no teatro Oi Futuro, no Flamengo, até 15 de setembro, o texto, de Julia Spadaccini, conta a história de Sasha, um homem, heterossexual, que altera a vida de uma família da vizinhança ao revelar, sem amarras, seu hábito de se vestir com roupas femininas. A autora diz ter fascínio pelo universo do crossdressing , “em que a aparência de mulher não implica necessariamente homossexualidade”. Caetano complementa:
— A gente não explica na peça por que ele gosta de se vestir de mulher. Ele é assim, apenas. Usa vestido e calça boca de sino, mas paquera mulher. Aqui no Rio não vi ninguém assim. Em São Paulo, é mais comum. Existe um clube para isso.
O teatro, por sinal, tem longa tradição de apresentar homens em papéis femininos. Na Grécia antiga ou na Inglaterra elizabetana, personagens marcantes como Jocasta (mãe de Édipo), ou Julieta, eram vividos por homens, maquiados ou escondidos atrás de uma máscara.
Já no Japão, um ato proibitivo por parte do governo deu origem a uma tradição. Desde 1629, o kabuki (forma típica de dramatização, com maquiagem pesada) é encenado exclusivamente por homens. Explica-se: até aquele ano, as peças eram mais assistidas em função do sucesso provocado pelas curvas das atrizes — que dançavam de forma libidinosa —, que do teor das histórias. O medo da “desmoralização” do público levou à decisão de proibir moças em papéis femininos.

Por: Mariana Timóteo da Costa e Roberto Kaz escreveu:Link da reportagem original
Sttefanne Camp
Sttefanne Camp
Administradora
Administradora

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Sex 12 Abr 2019, 12:05
Oi Gente Razz



Estou vendo aqui, essa reportagem é bem antiga... visto que o tal "Clube" não existe mais (já uns 04 anos)... Há locais, tipo o Rainha Cross, e o Studio Experience em SP, além de uma divulgação maior de pessoas que saem regularmente na Capital Paulista....Existe Grupo ativo no Rio de Janeiro (o RCC - Rio Crossdressing Club), o qual agrega não somente cross, mas toda pessoa que queira se sinta acolhid@, podendo ser cis, trans LGBTXYZ....


Enfim... é bom saber que muitas coisas mudaram para melhor Very Happy
stefanyemian
stefanyemian
Administradora
Administradora

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Sex 12 Abr 2019, 16:25
49 49
BiAngel
BiAngel
CD Avançada
CD Avançada

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Qui 25 Abr 2019, 01:06
Sttefanne Camp escreveu:Oi Gente Razz



Estou vendo aqui, essa reportagem é bem antiga... visto que o tal "Clube" não existe mais (já uns 04 anos)... Há locais, tipo o Rainha Cross, e o Studio Experience em SP, além de uma divulgação maior de pessoas que saem regularmente na Capital Paulista....Existe Grupo ativo no Rio de Janeiro (o RCC - Rio Crossdressing Club), o qual agrega não somente cross, mas toda pessoa que queira se sinta acolhid@, podendo ser cis, trans LGBTXYZ....


Enfim... é bom saber que muitas coisas mudaram para melhor Very Happy

A Dudda era uma simpatia de pessoa! Se não estou enganada, ela parou com o estúdio dela quando passou em medicina! Nunca a conheci pessoalmente, faltou coragem, mas trocamos um pouco de mensagem na época pelo MSN (umas duas vezes por lá e uma vez pelo telefone). Era uma menina muito carinhosa e realmente muito tranquila e aberta para o crossdressing! Se alguém tiver noticias dela, traga ela para este forum... garanto que muitas de nós iriamos nos deliciar com o atendimento que ela sabia dar!

Beijos Bianquinha

PS: outra que nunca mais encontrei e tudo que tinha dela parece que sumiu da net era a Elizabeth Bardotti.... ela foi pioneiríssima na arte do cross.... muito eu aprendi na época ainda que a internet era discada.... Segui o site dela por um bom tempo (acho que entre os anos de 1995 à 2001) - ela postava quase todo dia! Era um conteúdo riquíssimo e muitas, mas muitas fotos! Abaixo uma print da pagina inicial no seus primórdios!

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
stefanyemian
stefanyemian
Administradora
Administradora

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Qui 25 Abr 2019, 11:33
Nem sou tão velha assim!
Olha só a foto! Netscape!!!
kkkk
hConfuso
hConfuso

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Sex 14 Jun 2019, 11:13
Nossa, desenterraram o BCC e a Betinha! Isso é dos primórdios. A reportagem é legal mas nem arranha a complexidade do mundo cross, pra quem está de fora algumas coisas são bem complicadas de entender, mas o mais fascinante pra mim foi quando conversei com CDs que saíam com homens quando montadas, mas no dia-a-dia eram homens héteros, com ZERO comportamento gay ou mesmo bi.

Deve ser interessante a logística de namorar uma CD assim Wink
BiaMorena
BiaMorena
CD de Armário
CD de Armário

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

em Seg 17 Jun 2019, 21:21
Na minha opinião o mais fascinate nesta mudança fisica, é vivenciar as experiências cotidianas como mulher.
Minha primeira experiência homossexual foi a pouco tempo, a poucos anos, e quando me ví montada, feminina, e fazendo o papel literal de uma mulher na cama, me realizei!
São pequenos de muitos detalhes que nos faz entender cada pedacinho daquilo que precismos viver para nos encaixar nesta nova vida, no meu caso foi me sentir mulher com um homem, foi ser livre com meus trejeitos,  me sentir uma menina, 
No meu atual momento em que sou menina 24h por dia, quando timidamente saio com um homem, e ele me toca vomo se eu fosse mulher é o que me completa, pequenos detalhes conplementam, uma besteira foi furar a orelha rs, mas foi muma entre muitas coisas que me aproximou da feminilidade que sonhei toda a vida..
Conteúdo patrocinado

Anuncio Re: Adeptos falam da "DOR" e da "DELICIA" de ser do outro gênero.

Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum