Estatísticas
Temos 133 usuários registradosO último usuário registrado atende pelo nome de crisscdzinhaOs nossos membros postaram um total de 9451 mensagensem 404 assuntos
Contador de Visitas

Compartilhe
Ir em baixo
avatar
stefanyemian
Administradora
Administradora

Anuncio O APRENDIZADO DA SEXUALIDADE

em Ter 23 Out 2018, 16:48
Heilborn ML, Aquino
EML, Bozon M, Knauth DR, organizadores. Rio
de Janeiro: Editora Garamond/Editora Fiocruz;
2006. 536 pp.
ISBN: 85-7617-098-1


O livro Aprendizado da Sexualidade: Reprodução e
Trajetórias Sociais de Jovens Brasileiros, sistematiza os
principais resultados da Pesquisa GRAVAD (Gravidez na
Adolescência: Estudo Multicêntrico sobre Jovens, Sexualidade
e Reprodução no Brasil). A pesquisa, que aconteceu
em três grandes centros urbanos: Porto Alegre,
Rio de Janeiro e Salvador, destaca-se por assumir uma
abordagem inovadora no que diz respeito à perspectiva
da sexualidade e gravidez na adolescência. O estudo
optou pela aproximação do conceito juventude através
da superação de estratégias de definição por meio de
marcos etários e a adoção de uma perspectiva mais
abrangente de processo social, que engloba marcos
referidos ao término dos estudos, entrada no universo
profissional, saída da casa dos pais e início da vida
conjugal. Igualmente, a postura tradicional assumida
em relação ao fenômeno da gravidez na adolescência,
liderada pela pesquisa biomédica e os estudos psicológicos,
é substituída por um conceito de sexualidade
englobante. Dessa forma, argumenta-se que a sexualidade
é de fato um conceito no qual sujeitos são lentamente
socializados e que permite ao jovem a constituição
de um domínio de autonomia individual. Sendo
assim, a gravidez na adolescência pode apresentar-se
como uma possível ocorrência neste cenário de busca
pela individualidade e experimentação amorosa.
O livro divide-se em dez capítulos, sendo o primeiro
uma descrição detalhada dos objetivos e premissas
teóricas da pesquisa acima referida. Reforça-se aqui a
importância da estratégia de descentramento etário e
da idade mais alta dos entrevistados como possível facilitador
para a observação dos processos da juventude e
avaliação das conseqüências de uma possível gravidez.
O segundo capítulo, Gravidez na Adolescência: Um
Balanço Bibliográfico, apresenta uma revisão bibliográfica,
majoritariamente nacional, sobre o tema da gravidez
na adolescência. Os autores ressaltam a construção
da gravidez na adolescência como um problema social
e de saúde pública, muitas vezes revestido por visões
reducionistas e moralistas que percebem os jovens como
vítimas da pobreza e desinformação ou, no caso
das meninas, oportunistas buscando um vínculo com
seus parceiros.
O terceiro e quarto capítulos, Aspectos Metodológicos,
Operacionais e Éticos da Pesquisa Gravad e As
Características da População Pesquisada, respectivamente,
expõem o percurso metodológico adotado na
pesquisa e a descrição das características das populações
estudadas. A investigação se apresenta como uma
pesquisa multidisciplinar que unificou técnicas qualitativas
e quantitativas de produção e análise de dados.
A pesquisa foi submetida e aprovada pelos Comitês de
Ética de três universidades envolvidas na mesma. O estudo
incluiu jovens de 18 a 24 anos, de ambos os sexos,
habitantes dos municípios acima citados. A população
foi observada por meio de uma investigação minuciosa
de seus contextos socioculturais e características individuais.
Tais especificidades incluíram: cor, filiação religiosa,
meio social, escolaridade, distribuição de renda
e, finalmente, a situação atual do sujeito em relação à
moradia, trabalho e estudos.
O quinto capítulo, Iniciação à Sexualidade: Modos
de Socialização, Interação de Gênero e Trajetórias Individuais,
defende a partir da contemplação dos dados
obtidos a hipótese de que a precocidade sexual não é
uma tendência inteiramente crescente para jovens brasileiros.
De fato, ao contrário do que é esperado em função
da imagem traçada sobre a juventude na mídia, a
iniciação sexual do jovem brasileiro se dá dentro de um
contexto estruturado e muitas vezes rígido no que diz
respeito a expectativas relativas a gênero. Observou-se
que a iniciação sexual masculina foi mais precoce que
a feminina em todas as cidades, porém em relação ao
uso de métodos de contracepção ou proteção durante a
primeira experiência, observaram-se índices mais baixos
em Salvador do que nas duas outras cidades. Ainda,
foi constatado que a tendência espontânea e carente
de ponderação pode contribuir com os estereótipos de
gênero, a ausência de métodos de proteção após a primeira
relação, conseqüentemente, uma gravidez inesperada.
Finalmente, essa ideologia espontaneísta da
sexualidade se retro alimenta do baixo nível de trocas
verbais entre parceiros e da reticência de alguns grupos
em tratar da contracepção e proteção.
No sexto capítulo, Valores sobre Sexualidade e Elenco
de Práticas, descreve-se as opiniões de jovens diante
de temas referentes à sexualidade utilizando-se relações
de gênero, raça, filiação religiosa e elementos bibliográficos
como possíveis determinantes de valores e condutas.
A pesquisa demonstra, principalmente nas classes
populares, que as “necessidades” sexuais masculinas se
apresentam como mais intensas e impulsivas e que as
experiências sexuais entre pessoas do mesmo sexo são
rejeitadas. Como indicador de uma visão de masculinidade
tradicional, os pesquisadores utilizam as idéias
em relação à homossexualidade que traduzem a manutenção
de tais perspectivas independente de classe
social. Em relação às práticas sexuais, observa-se o sexo
oral como igualmente comum a ambos os sexos, já o
sexo anal é mais valorizado por homens o que reflete a
natureza hierárquica das relações de gênero no país.
O sétimo capítulo, Trajetórias Afetivo-Sexuais, analisa
diferentes momentos da vida dos jovens entrevistados
buscando compreender como os relacionamentos
afetivo-sexuais concorrem para a autonomização
dos jovens e de que modo as influências de gênero,
pertencimento social e escolaridade incidem sobre as
mesmas. As trajetórias afetivo-sexuais são classificadas
em três grandes grupos: (i) jovens que tiveram um relacionamento
estável com um ou no máximo dois parceiros;
(ii) jovens que tiveram vários relacionamentos
estáveis com diversos parceiros; (iii) jovens sem histórico
de relacionamentos estáveis. O estudo demonstra
que, a expectativa da gravidez na adolescência como
perturbadora do curso natural da juventude se constrói
por meio da tendência em observar as situações de namoro,
união e gravidez como lineares ou cumulativas e
não simultâneas com indicam os resultados do estudo.
O oitavo capítulo, Gravidez na Adolescência: A Heterogeneidade
Revelada, apresenta um panorama de
experiência reprodutiva de jovens nos centros urbanos
acima referidos. A gravidez na adolescência observa-se
como fenômeno complexo que apresenta diferenças
em virtude de diversidades regionais, sociais e bibliográficas.
Os dados revelam que a manutenção ou interrupção
da gravidez é fortemente influenciada pelo desejo da família da gestante e principalmente, do parceiro.
O estudo demonstra maior diversidade entre as
experiências sexuais de homens e mulheres em jovens
entrevistados em Salvador. Da mesma forma, esses
jovens iniciam a vida sexual mais tarde, porém engravidam
mais precocemente em relação a jovens entrevistados
nos outros centros urbanos. É importante
ressaltar que os dados apesar de apontarem para uma
“herança familiar” no que diz respeito à ocorrência de
gestações na adolescência em diversas famílias, também
demonstram o rompimento da reprodução deste
ciclo de pobreza em virtude da ampliação dos projetos
de vida dos jovens.
O penúltimo capítulo, As Trajetórias Homo-Bissexuais
analisa a homossexualidade na trajetória sexual
dos jovens entrevistados observando de maneira minuciosa
os processos de intercâmbio entre sexualidade
e gênero. A categoria contemplada se construiu através
da ocorrência de ter tido experiências de natureza sexual
com pessoas do mesmo sexo.
O último capítulo, Sexualidade Juvenil: Aportes para
as Políticas Públicas, apresenta recomendações para
a criação de políticas públicas relativas à sexualidade
juvenil centradas em programas educacionais que ultrapassem
a simples transferência de informações técnicas
e contemplem os aspectos relacionais de gênero
e a dimensão afetiva arraigadas na sexualidade. Discute-
se a necessidade de políticas que invistam na preparação
dos jovens para maior autonomização. Recomendam-
se medidas focadas em grupos em situação
de vulnerabilidade, como é o caso de jovens pobres,
além da disseminação de alternativas de enfrentamento
e administração de gestações não imprevistas, combatendo
assim o custo social e possíveis complicações
decorrentes de abortos realizados em condições de higiene
e segurança precárias.
O livro estimula as discussões em torno da elaboração
de novos conceitos no campo da juventude que
ultrapassem aqueles tradicionais, certamente podendo
contribuir para a criação de políticas de saúde que
entendam a sexualidade juvenil por meio de uma perspectiva
englobante. Esta abordagem pluralista e multidisciplinar
dos conceitos sexualidade, juventude e reprodução
colabora com a maior compreensão dos processos
referentes ao aprendizado da sexualidade e das
trajetórias afetivo-sexuais da juventude relativas à saúde
reprodutiva, sexualidade e papéis de gênero. Como
importante contribuição o livro propõe uma perspectiva
da juventude brasileira mais leal aos seus dilemas,
experiências, valores, expectativas e transformações. O
livro constrói através de seus resultados uma visão da
juventude livre dos estigmas e pré-conceitos difundidos
pelo senso comum e pela mídia, que ligam a adolescência
a práticas de risco, relacionamentos transitórios,
imaturidade, irresponsabilidade e vitimização.
A obra busca sugerir o desenvolvimento de pesquisas
que venham preencher lacunas sugerindo novos inquéritos
sobre as relações entre jovens e suas famílias,
círculos de sociabilidade, serviços de saúde, rede sociais
de apoio e experiências de discriminação e violência.
Finalmente, a reconstrução conceitual e metodológica
apresentada na pesquisa proporciona à literatura
científica em saúde as diretrizes necessárias para a formulação
de políticas públicas que observem a juventude
através de suas especificidades sociais, culturais
e subjetivas, podendo ser mais eficazes na produção
e transformação das atitudes, representações sociais,
valores e expectativas relacionados à população em
referência.
Ana Helena Rotta Soares
Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de
Janeiro, Brasil.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

São José do Rio Preto - SP
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum